quarta-feira, 24 de junho de 2020

Faça lá um poema

O espaço






O espaço,
negro como uma sala escura,
zona obscura,
cheia de mistérios por resolver.

O espaço,
um tapete negro,
salpicado por pequenas migalhas,
reluzentes como fornalhas.

Estas são as estrelas,
corpos celestes luminescentes,
eternamente reluzentes,
iluminando o breu espacial.

As estrelas tudo iluminam,
asteroides e cometas,
luas e planetas,
milhões de outros corpos celestes.

O espaço,
uma escura imensidão,
em infinita expansão,
impulsionada por forças desconhecidas.

O espaço sideral,
que contém as estrelas,
entre as quais o Sol,
do sistema solar o Santo Graal.

O Sol,
uma imensidão luminosa,
sobre a qual se podiam escrever
vinte mil textos em prosa.

O Sol a Terra ilumina
revelando este magnífico planeta,
que para os amantes da natureza,
é como uma aspirina.

Desde o nascer,
até abaixo do horizonte o Sol descer,
empilham-se encantos,
à espera em todos os recantos.

Após o pôr do sol,
sobem ao telhado
pai e filho,
observando o céu estrelado.

Sobe a Lua,
imponente e majestosa,
as suas manchas negras
lembrando uma cara ditosa.

Pai e filho,
suportando da noite o frio,
penetram no tecido
do espaço sombrio.


António Pedro Gomes Pina Seco, 8.° LF1
(Vencedor a nível de Escola do concurso "Faça lá um poema")




terça-feira, 23 de junho de 2020

Oficina de escrita

Eu vejo nascer o Sol








Eu vejo nascer o sol quando olhas para mim,
Eu vejo nascer o sol quando vejo jasmim.
Eu vejo nascer o sol quando  me chamas  à atenção,
Eu vejo nascer o sol quando ouço a tua canção.
                                               Gonçalo Gaspar




                                                         Eu vejo o Sol nascer quando estou a caminhar,
                                                         Eu vejo o Sol nascer quando vejo alguém a passar,
                                                         Eu vejo o Sol nascer quando  vejo flores a desabrochar,
                                                         Eu vejo o Sol nascer quando alguém as está a regar.
                                                                                                                                     Manuel Silva



                    Eu vejo o sol a nascer quando o mar começa a recuar,
                    Eu vejo o sol a nascer quando uma onde se começa a formar,
                    Eu vejo o sol a nascer quando não o quero ver,
                    Eu vejo o sol a nascer quando não posso escolher
                                                                                        João Silva



Eu vejo nascer o Sol quando a escuridão desaparece. 
Eu vejo nascer o Sol quando teu sorriso permanece.
Eu vejo nascer o Sol quando tudo fica mudo. 
Eu vejo nascer o Sol quando teus olhos dizem tudo. 
                                             Laura Grilo


                                           Eu vejo nascer o sol quando os pássaros cantam.
                                           Eu vejo nascer o sol quando estou com um amigo.
                                           Eu vejo nascer o sol quando as flores me encantam.
                                           Eu vejo nascer o sol quando estou contigo!
                                                                                                   Adriana Gomes Dias



                                                                                                                                   Alunos da Turma C, 7.° ano 




quarta-feira, 3 de junho de 2020

Vamos comprar um poeta


COMO É QUE O MAR TÃO GRANDE CABE NUMA JANELA TÃO PEQUENA






Janela ampla,
Vidro desfocado…
A minha janela chama-se se portal para o mundo.
Uma janela como outra qualquer.
Alegria de viver!
A minha é liberdade!
Janela tão pequena com vista para coisas grandes…
A minha janela está cheia de vida.
A minha é passividade não tem nada a mexer além das folhas movidas pelo vento.
Um lugar diferente…
A minha janela é um mundo que se abre!

                                                                                                                    Poema coletivo: 8.° B e C

terça-feira, 2 de junho de 2020

Vamos comprar um poeta


COMO É QUE O MAR TÃO GRANDE CABE NUMA JANELA TÃO PEQUENA


Da minha janela vejo o que não existe do outro lado:
Um dia de sol e vida,
Jardim,
Pureza…
Como cabem tantas árvores numa janela?
Viver um dia de cada vez como se não houvesse amanhã!
Um vidro baço,
Azerutan,
É um dedo espetado na realidade…

                                                                                                                       Poema coletivo, 8.° A